Campanha pela erradicação da cinomose!!!

 

 

430436_582406465111935_1621061950_n

 

Vista-se contra a Cinomose e ajude a proteger 3 cães. É isso mesmo!

Na compra de uma camiseta ou babylook da campanha, você ajuda a vacinar 3 cães. Acesse o nosso blog e veja como adquirir a sua! http://erradicacaodacinomose.wordpress.com/camisetas/

Publicado em Meus bichos | 2 Comentários

Medicina Intensiva

Medicina Intensiva

Fiz essa montagem pra dizer que é isso que eu quero pra minha vida.

🙂

Imagem | Publicado em por | 2 Comentários

9 de Setembro! Dia do Médico Veterinário!!!!!!!!!!

Sem mais.

Imagem

Publicado em Meus bichos | Deixe um comentário

Se ser profissional é não demonstrar sentimentos… então não sou profissional

Objeto ou bicho de estimação??? Pra mim, você era o meu bebê…

Greg, esse era o seu nome no Pedigree. Cão da raça Shih-tzu, esperava por um dono que o comprasse… assim como o Sebastian (o Yorkshire terrier que acabei me apaixonando e levando pra casa).

Eu, como de costume, cuidando dos cãezinhos a venda do Pet em que trabalho, vacinando, vermifugando… fazendo  tudo de uma forma muito profissional. Sem ficar apertando e/ou beijando os filhotes para não alimentar sentimentos (risos).

Um belo dia, Greg foi comprado. Na mesma semana, Greg foi devolvido. O “dono” alegava que o cão havia apresentado episódios de convulsão. Fizemos alguns exames e o caozinho ficou em observação. Entrei com medicação controlada e em alguns dias o caozinho voltou ao normal. A pergunta era: quem iria querer comprar um cão epilético??? Começamos então um longo caminho para arrumar uma pessoa de confiança que quisesse adotar um cão especial como, Millu (pois é, depois de 2 meses cuidando dele, troquei o seu nome, o apertava e beijava todos os dias).

O tempo foi passando e ninguém o queria. Quanto mais as pessoas o rejeitavam (devido a epilepsia) mais eu o queria pra mim, mais eu o amava. Certa vez, decidi controlar meus sentimentos, pois um dia apareceria alguém legal que ia cuidar dele e amá-lo tanto como eu. Comecei a me afastar. E esse dia chegou! Um casal muito legal o queria muito. Expliquei tudo sobre a condição do Millu, me coloquei a disposição pro resto da vida para fornecer a receita para comprar a medicação (que é controlada) sempre que eles precisarem. Eles foram embora felizes da vida, compraram ração, caminha, brinquedo… desejei que eles o amassem e cuidassem dele… entreguei meu cachorrinho a eles com o coração apertado, quase chorando. Combinei deles voltarem no dia seguinte para fazer a 3a dose da vacina de virose.

No dia seguinte, cheguei no Pet e a moça estava na porta… fiquei feliz em vê-la, mas ela… não demosntou felicidade ao me ver. Com um olhar triste e com a voz trêmula… disse que o nosso bebê tinha ido embora de madrugada. Não pude acreditar! Fiquei em choque… sem saber o que dizer a ela. Ela comentou que ele nao havia convulsionado… somente deu um grito e se foi.

Ela o pegou de dentro do carro… não pude crer quando o vi. Segurei o choro (por timidez mesmo), enguli a seco a saliva e a única coisa que conseguir pronunciar foi: “Puts!” Fiquei la olhando pra ele, coberto com uma toalha, com a linguinha pra fora, tão lindo, mas que foi tão ignorado… um animalzinho que foi tratado como objeto desde que nasceu… que raiva! Foi devolvido porque era “doente”… como se fosse uma mercadoria com defeito! Triste. O que mais eu poderia fazer?

“Sim, fiz tudo que pude. Todo o tempo que ele esteve no Pet, cuidei dele como se fosse meu. Quando realmente encontramos alguem que o queria muito, ele vai embora. O que mais eu poderia fazer por ele?” Minhas indagações, enquanto olhava pra ele… então, decidi mandar o corpo para fazer um exame necroscópico, para saber a causa da morte. Pareceu muito óbvio para alguns… mas eu precisei fazer isso, em respeito a ele. Não me conformei com essa perda e choro quando me lembro dele. Hoje o casal foi no Pet e nós voltamos a falar do Millu. Eles me disseram o quanto eles choraram e ficaram tristes com a perda… eu disse com os olhos marejados: “Também fiquei e chorei o dia todo”.  Senti que eles me olhavam com piedade. Acho que as pessoas pensam que por nós sermos Veterinários, nos tornamos frios e sem sentimentos… alguns se tornam mesmo… mas muitos, como eu… camuflam certos sentimentos para mostrar que é profissional. Querem saber? Passei dessa fase. Eu demonstro sim, quando não aguento. Choro quando me da vontade e pronto. Ser profissional não é não chorar… ou não demonstrar sentimentos… pra mim ser profissional é fazer o trabalho com ética, trabalhar sempre com a verdade e mostrar que é humano.

Millu, com 2 meses

Fico feliz pois o tratei com muito carinho e amor enquanto ele esteve comigo.

Publicado em Meus inesquecíveis pacientes | 1 Comentário

Se um cachorro fosse professor…

Publicado em Meus bichos | Deixe um comentário

R.I.P Jim Beam! ♥

Céu dos Animais

Sou da área médica e minha cabeça se tornou científica, isso é um fato. Mas cada um acredita no que quer, certo? Eu acredito que existe um lugar para onde vão todas as almas dos bichinhos!!!

Esta é uma pequena homenagem a um amiguinho que deu muita alegria aos meus queridos Lili e Lulu. Fiquem bem, pois ele já está (:

Jim Beam – 4 anos de muito amor

Publicado em Meus bichos | 2 Comentários

A vida é feita de escolhas…

… e o amor é uma delas.

“Acredito piamente que a vida de cada um de nós é composta por uma sucessão ininterrupta de escolhas. Fazemos escolhas todo tempo, desde as mais simples e ‘automáticas’ até as mais complexas, elaboradas e planejadas. Quanto mais maduros e conscientes nos tornamos, melhores e mais acertadas são as nossas escolhas.”

Sempre sonhei em criar meus filhos no meio de bicho. Ficou apenas nos meus sonhos, pelo menos por enquanto…

Segurei a onda enquanto foi possível! Quem é mãe, sabe o quanto é desgastante e como um recém nascido precisa de atenção 24 horas. A decisão tomada foi drástica, mas foi um ato de amor… ato de amor pela minha filha e pelos meus animais.

Assim que minha pequena nasceu, Lucille, Neném e Thomas se sentiram deixados de lado (normal).  Eu me desdobrava para dar atenção a todos… mas infelizmente, Lucille começou a arrancar os próprios pêlos, chegava a machucar a pele… Thomas começou a me morder enquanto amamentava e o Neném, tentou morder a bebê.

Aos 4 meses de vida da minha pequena, tomei a decisão: doar os animais. Cada um foi pra um lar diferente, mas estão todos em ótimas mãos. Não seria justo com eles, bichos que sempre tiveram tanta atenção, sofrerem dessa maneira, eles merecem muito mais do que eu podia dar…

Sempre tenho notícias deles e estão muito bem! Eu é que não estou muito. De madrugada eu escuto cães tomando água, gato miando… pra mim está sendo muito doloroso e foi uma decisão difícil, acho que a mais difícil de toda minha vida (lágrimas).

Grávida de 8 meses

Hoje encerro um capítulo lindo da minha vida. E encerro também a categoria “Meus bichos” desse blog. A partir de amanhã, casos clínicos inesquecíveis!!!

Beijos a todos!

Pri


Publicado em Meus bichos | 3 Comentários